terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Memórias de infância: Hóquei no gelo

Foram tardes e princípios de noites bem passadas.
Eram putos aos magotes reunidos à volta da novidade.
Um brinquedo: Um ringue de hóquei no gelo trazido do Canadá.
O filho do mestre Martinho reunia na Voltinha a pequenada.
Havia autênticos torneios ao 'bota fora'.
Duplas de jogadores escolhidos por serem os melhores.
Jogadas renhidas e dúvidas se o disco (e não a bola) entrou na baliza.
Paragens de jogo para discutir lances.
Brigas de pequenos e birras de perdedores.
Era um jogo. Um simples jogo.
Nem sequer havia tradição na Madeira ou em Portugal de tal desporto.
Mas a pequenada da Ribeira da Janela, em finais da década de 70, princípios de 80 divertia-se com ele.
Em vez dos tradicionais matraquilhos, havia um ringue de hóquei.
Às vezes paragens forçadas para consertar o jogo (um ou outro jogador).
As mães desesperavam a chamar os putos para casa mas estes só após grande insistência acediam.
Já o lusco-fusco.
Para jantar.
Ficava combinado nova jogatana para o dia seguinte.

1 comentário:

Vico D´Aubignac disse...

Caro Jornalista,
Normalmente as recordações a as nostalgias atacam só os velhos, já que os novos vivem apenas na soberba do presente. Além disso parece que o amigo está a deixar-se influenciar pela sua colega de profissão, Marta Caíres. A Marta, aquela moça tão doce e tão mimosa (juro que não sei o que é que ela viu naquele J.F.!!) encontra-se obstinada com o seu próprio passado. Aliás, até acho bem, pois muitos outros se encontram também com o dela e o que importa é contribuir para a felicidade alheia. Nesse ponto a moça marca pontos igualmente na caridade.
Bom, posto isto, rogo novamente ao amigo Emanuel para usar do seu privilégio de proximidade e informar a M.C. sobre a existência do meu blog. Transmita-lhe por favor que, algures nas ondas etéreas da net habita um jovem que já vai tendo também visões do (seu) passado e que, nessa onda de saudosismo, gostaria de sentir-se “enleado” por M.C.
Saudações blogosféricas.
Vico D´Aubignac
(estou a falar a sério!)